• 22 NOV 19
    • 0
    Entenda a relação entre a genética e a tendência a engordar facilmente

    É difícil recusar a tentação que é comer alimentos ricos em gordura saturada, como bacon, manteiga ou chocolate.
    Eles são realmente deliciosos, mas, em excesso, são muito prejudiciais à saúde. 

    A gordura saturada facilita o ganho de peso e o desenvolvimento de doenças cardíacas e respiratórias.
    Entretanto, algumas variações genéticas podem afetar o seu organismo e consequentemente a sua saúde.
    Quando se trata da tendência a engordar facilmente, a gordura saturada parece pior para alguns do que para outros.  

    Qual é a relação da gordura saturada com os níveis de colesterol no organismo?

    A gordura saturada é uma das responsáveis por aumentar a quantidade do colesterol LDL no organismo. 
    Ele é chamado de ruim porque transporta o colesterol do fígado para as células do corpo.

    Enquanto isso, o HDL faz o processo inverso, levando o colesterol de volta para o fígado a fim de eliminá-lo. Por isso, este é conhecido como o colesterol bom.

    A relação entre os dois é direta. Por esse motivo, consumir alimentos que reduzem o LDL ajuda a aumentar o HDL. 

    Relação da genética com a tendência a engordar facilmente

    O consumo de alimentos com alto teor de gordura saturada e o consequente aumento do colesterol ruim podem estar relacionado com questões genéticas.

    Para pessoas com tendência a engordar facilmente, o ganho de peso pode ser referente mais à origem das calorias consumidas do que à sua quantidade. 

    Pesquisas científicas mostraram que adultos com uma variação genética (-265C\C) no gene que codifica para APOA2 consomem 100-200 calorias por dia a mais do que aqueles com o alelo T.
    Sugerindo, dessa maneira, que o APOA2 tem uma relação com o Índice de Massa Corporal (IMC) baseado na quantidade de gordura saturada que você consome [1-5].

    Genética influencia no colesterol

    Além de estar ligada com o consumo de gordura saturada e a tendência a engordar facilmente, a genética também se relaciona com a produção de colesterol.

    Para a produção do colesterol bom, a apolipoproteína A-II (APOA2, OMIM 107670) é essencial. Ela é a segunda proteína mais abundante no HDL.
    Essa proteína desempenha um papel importante na proteção contra o desenvolvimento de síndrome metabólica e também promove a secreção de insulina.
    Contudo, o polimorfismo na posição −265T>C (rs5082), localizado na região promotora do gene APOA2 reduz a produção dessa proteína. 
    Sendo assim, com menor produção da proteína que forma o HDL, o LDL aumenta. 
    Logo, essa condição genética pode gerar, além da tendência a engordar facilmente, predisposições para doenças cardíacas.

    Desse modo, sabendo mais sobre seu DNA, é possível fazer uma dieta específica para o seu perfil único.

    Conheça o exame genético Biouno e saiba como ele ajuda a conhecer seus genes e riscos.

    Referências Bibiográficas:

    1. Corella D, Peloso G, Arnett DK, Demissie S, Cupples LA, Tucker K, Lai CQ, Parnell LD, Coltell O, Lee YC, Ordovas JM. APOA2, dietary fat, and body mass index: replication of a gene-diet interaction in 3 independent populations. ArchIntern Med. 2009 Nov 9;169(20):1897-906. doi: 10.1001/archinternmed.2009.343.
    2. Corella D, et.al.; Association between the APOA2 promoter polymorphism and body-weight in Mediterranean and Asian populations. Replication of a gene-saturated fat interaction. Int J Obes (Lond). 2011 May; 35(5): 666–675.
    3. Fryirs MA, Barter PJ, Appavoo M, Tuch BE, Tabet F, Heather AK, et al. Effects of high-density lipoproteins on pancreatic beta-cell insulin secretion. Arteriosclerosis Thrombosis Vascular Biology 2010;30(8):1642e8.
    4. Smith CE, Ordovás JM, Sánchez-Moreno C, Lee YC, Garaulet M. Apolipoprotein A-II polymorphism: relationships to behavioural and hormonal mediators of obesity. Int J Obes (Lond). 2012 Jan;36(1):130-6. doi: 10.1038/ijo.2011.24. Epub 2011 Mar 8.
    5. Ren D, Zhou Y, Morris D, Li M, Li Z, Rui L. Neuronal SH2B1 is essential for controlling energy and glucose homeostasis. J Clin Invest. 2007 Feb;117(2):397-406. 
    Deixe um comentário →

Deixe um comentário

Cancel reply